Uma Prévia Exclusiva de O Regresso, o Não-Western de Iñarritu

by Ana Maria Bahiana October 3, 2015

Alejandro González Iñarritu’s follow up to last year’s acclaimed Birdman was the product of passion and unstinting labor under harsh conditions. A first peek at the film in an exclusive session for the HFPA reveals both beauty and brutality.

É de manhã e lá fora a temperatura já passou dos 35 graus neste escaldante final de verão em Los Angeles. Mas aqui dentro desta cabine privada, numa seção industrial do bairro de Santa Monica, faz um frio de gelar a alma. E não é apenas porque o ar condicionado está a toda – é principalmente porque, na tela, uma batalha de vida e morte está sendo travada às margens geladas de um rio, o vento cortante açoitando as faces dos combatentes, a brutalidade dos golpes enchendo a neve de sangue. É a sequencia de abertura de O Regresso (The Revenant), o novo filme de Alejandro Gonzalez Iñarritu, seu primeiro trabalho desde o triunfo de Birdman, que lhe valeu, entre muitos outros prêmios, um Globo de Ouro, e um dos filmes mas ansiosamente esperados da temporada-ouro 2015-2016.

Nós – um grupo seleto de votantes dos Globos – somos os primeiros a ver alguma coisa de Regresso, cerca de 40 minutos que incluem a espetacular abertura e as consequencias do embate à beira do rio, e outra sequencia igualmente brutal que é um ponto decisivo da trama, e prova mais uma vez (como se isso fosse preciso) o quanto Leonardo Di Caprio é um
grande ator.

As imagens são impressionantes. Trabalhando mais uma vez com o premiadíssimo diretor de fotografia Emmanuel Lubezki (Birdman, Filhos da Esperança, Gravidade) Iñarritu explora a paisagem de inverno em longos planos, o foco à moda de Kubrick, englobando toda a vastidão dos espaços onde os humanos parecem intrusos diminutos, alienígenas quase, engalfinhando-se em fúria enquanto sol, céu, água, árvores, vento observam, indiferentes. “É basicamente um encontro de John Ford com Tarkovsky”, diria Leonardo DiCaprio - bronzeado, os cabelos presos num coquinho , fumando um “cigarro” a vapor- no lobby da cabine, fazendo uma visita inesperada depois da sessão. A comparação faz sentido, mas curiosamente contradiz o que Iñarritu tinha nos dito momentos antes, afirmando que Regresso não era “propriamente um western. Acho curioso que ele seja chamado de western. Ele é anterior ao western, ele se passa num período caótico, selvagem, na verdade o período onde estão as raízes do capitalismo.”

O Regresso se baseia no livro do mesmo nome de Michael Punke, que por sua vez se baseia nas cartas e diários de Hugh Glass, um explorador e caçador norte-americano, famoso no início do século 19 por ser o recordista de abates da Rocky Mountain Fur Company (que abastecia o mercado europeu com peles obtidas nos sertões de Estados Unidos e Canadá) e por ter sobrevivido ao ataque de um urso um pouco mais relutante em deixar que seu couro fôsse enfeitar alguma madame européia. DiCaprio é Glass, e seus companheiros de labuta incluem Tom Hardy, Domhall Gleason, e Lukas Haas. O diálogo é pouco e tenso, muitas vezes apenas grunhidos, gritos e gemidos, um teste adicional para um elenco que teve que enfrentar condições extremas de filmagem, primeiro no Canadá e depois na Patagônia argentina. “Tudo o que vocês ouviram falar sobre os rigores da filmagem é verdade”, DiCaprio disse. “Mas eu enfrentaria tudo de novo.” Iñarritu completa: “Sim, foi o inferno, muitas vezes. Mas eu nunca pediria algo de meus atores e equipe que eu mesmo não fôsse capaz de enfrentar e fazer.” No final, ambos concordam que as dificuldades da filmagem colaboraram para que O Regresso tenha a urgência e veracidade que ficam evidentes na tela, mesmo numa amostra como essa.

Interessante e irônico é o fato de que Iñarritu estava no meio dessa produção infernal quando recebeu a chuva de prêmios no início do ano. Ele confessa que foi “meio surreal” largar as planícies geladas do Canadá num dia para no dia seguinte estar de smoking num evento de gala. “Eu fiquei um pouco tonto”, ele admite, rindo. Teremos um repeteco este ano? E mais uma vez Leonardo DiCaprio na disputa? Iñarritu ainda está embrenhado na finalização de O Regresso – vimos as duas sequências que estão completas, em som e imagem – e seu filme, que não participou do circuito de festivais do segundo semestre, será o último dos indicáveis a estrear comercialmente nos Estados Unidos, dia 25 de dezembro. Internacionalmente, contudo, a Fox vai colocar O Regresso em cartaz a partir de meados de janeiro ( no Brasil, 4 de fevereiro) o que claramente indica que o estúdio está contando com indicações para alavancar sua campanha de lançamento no mundo. Vamos ver.

Ana Maria Bahiana

01-revenant.jpg02-revenant.jpg
03-revenant.jpg04-revenant.jpg